segunda-feira, junho 04, 2018

O Milagre do Boi Brasileiro



Esses dias atrás fui arrumar minha estante de livros e no meio de tantos outros, encontrei esse título que nem lembrava que tinha. Ganhei ele em um evento que fui (não lembro qual) e até hoje não tinha nem tocado nele.

O livro é pequeno, mas o conteúdo é excelente! A linguagem que os dois autores utilizaram é bem direta ao ponto e o livro traz vários insights que se o pecuarista utilizasse ele conseguiria uma rentabilidade bem maior no seu empreendimento.

O livro narra desde o início da pecuária no País, até os aspectos de produção que devem ser encarados pelos pecuaristas.

O livro não ensina como criar gado de corte, mas serve como um bom guia de ideias gerais que deveriam ser seguidas pelos criadores.

Indicado para quem quer saber o básico da criação de gado, mas até os experientes conseguirão extrair bons ensinamentos desse livro.

domingo, junho 03, 2018

God of War III


Mais um para a lista de concluídos!!

Adentrei na franquia pelo 1º jogo da série e estou seguindo exatamente a ordem de lançamento. Terminei o I, depois o II, parti para o Chains of Olympus e quando coloquei o III para rodar no PS3, o susto foi grande!!!

A evolução gráfica é um absurdo e a grandiosidade das batalhas é de cair o queixo!! Eu que tive poucos meses de diferença entre terminar o II e iniciar o III, claramente pude perceber a diferença de potência entre o PS2 e o PS3.

O jogo tem mais cutscenes e mais violência que os anteriores, o que me trouxe uma imersão maior do que os anteriores. A história é qualquer coisa, típica história de vingança, mais como pretexto para sair batendo em todo mundo.

Ao mesmo tempo que jogava o III eu joguei o Ghost of Sparta e também já estou finalizando. Foi interessante ficar alternando entre os dois consoles, pois os golpes no PSP é mais limitado.

Já comecei a baixar o Ascension, que dizem que é o mais fraco da franquia, e espero terminá-lo antes de partir para o lançamento do ano!


sábado, junho 02, 2018

Minesweeper Genius


Primeira vez que escrevo sobre um jogo de celular por aqui, mas esse vale a pena!

Lançado pela Mgaia Studio, uma desenvolvedora brasileira sediada em Bauru/SP, o jogo é um misto de campo minado com picross que a princípio parece ser bem simples, mas esconda uma boa estratégia por trás dos puzzles.

Os puzzles não são difíceis, mas também não são triviais. Para mim ficou na dose certa de desafio! Terminei todas as fases com as 3 estrelas e o investimento de R$ 1,99 foi mais do que compensado pelas horas que ele me trouxe de diversão.


quinta-feira, maio 31, 2018

Saldo Fim de Mês da Coleção de Jogos


Mais um mês fraco com apenas uma aquisição e dessa vez advindo da minha assinatura da PS Plus.

Esse Beyong: Two Souls não é um estilo de jogo que eu curto muito, mas tenho a curiosidade de jogá-lo para realmente verificar se esse tipo de jogo me apetece.



sábado, maio 19, 2018

Economia e Organização da Agricultura Brasileira


Na minha incessante busca por literatura que versa sobre o agronegócio e agricultura, encontrei no no ano passado o livro Economia e Organização da Agricultura Brasileira escrito pleo brasileiro Fábio Chaddad.

Fábio, que faleceu precocemente no final de 2016, era Engenheiro Agrônomo formado pela ESALQ e bastante reconhecido pelos seus artigos e estudos nessa área.

O conteúdo do livro difere de outros livros "tradicionais" que se preocupam em explicar o que é o agronegócio. Nesse livro o autor tenta buscar, baseado em pesquisas que ele mesmo fez, os motivos que levaram o Brasil ser uma potência agrícola.

Cada capítulo enfoca uma região do País (Sul, Sudeste e Centro-Oeste) mostrando como que cada uma dessas regiões conseguiram trabalhar estrategicamente a agricultura. Senti falta da região Norte (falar de Rondônia) e do Nordeste (explanar sobre o MATOPIBA), mas mesmo assim o livro não perde o seu brilho.

Para quem trabalha no setor o livro é indispensável e nos refletir como que podemos continuar nessa missão de transformar o Brasil na maior fornecedora de alimentos do mundo.

terça-feira, maio 01, 2018

God of War: Chains of Olympus



Continuando na saga de jogar os títulos dessa franquia que deve ser uma das mais importantes da família Playstation, agora foi a vez do 1º jogo lançado para o PSP.

Lançado entre o God of War II e o III, cronologicamente o jogo se passa entre o Ascension e o I.

É incrivel como um um portátil do nível do PSP conseguiu rodar um jogo que é praticamente igual aos jogos do PS2. O jogo é mais curto (terminei em pouco mais de 6 horas), mas a diversão foi a mesma que tive ao jogar os títulos do PS2.

Achei um pouco mais fácil do que o II, mas mesmo assim tem bons desafios nos chefes de áreas.

Agora é começar o III e o Ghost of Sparta para cada vez mais me aproximar do momento de jogar o grande lançamento desse ano!


segunda-feira, abril 30, 2018

Saldo Fim de Mês da Coleção de Jogos


Quase que o mês passa em brando, mas na última semana do mês achei uma boa oportunidade de compra de um exclusivo do PS4.

Uma pessoa aqui de Brasília anunciou em um grupo do Facebook de venda de usados o Gravity Rush 2, que era um jogo que já procurava há um tempo, porém nunca tinha achado em um preço bom. Na hora entrei em contato com a pessoa e fechei o negócio!


domingo, abril 29, 2018

God of War II


Depois de 2 anos de terminar o 1º jogo de uma das franquias mais famosas da Sony, hoje termino o 2º God of War que é considerado um dos melhores jogos do PS2. O jogo foi lançado em março/2007, sendo que o PS3 já estava no mercado há 4 meses!

É impressionante ver como um jogo desses foi lançado para um console do porte do PS2! As cutscenes e a fluidez da jogabilidade são impressionantes!

Comecei esse jogo há muitos tempo atrás e fiquei um ano com meu save parado. Com o lançamento do God of War novo, fiquei empogado de voltar para a franquia e decidir terminar o que tinha começado.

O jogo é bem desafiante, com algumas lutas bem difíceis, onde não basta apenas ficar esmurrando os botões sem parar. É preciso um pouco de cadência nas lutas, bem ao estilo Dark Souls. Levei um pouco mais de 18 horas para terminá-lo.

O próximo agora vai ser um dos jogos que foram lançados para o PSP. Será o 1º jogo que jogarei desse portátil.


domingo, abril 15, 2018

Metroid Fusion


Duas semana depois de ter finalizado o Metroid Zero Mission, hoje foi a vez de finalizar o outro Metoid lançado para o GBA.

Esse capítulo da saga é mais linear do que os outros, mas isso não tira o brilho do jogo. Ainda há muito backtracking, porém é bem mais guiado e quase não há sensação de perda que é uma das características da franquia.

Eu segui essa linearidade e terminei o jogo em 4h42min, porém peguei apenas 42% dos itens! Isso mostra que para aqueles que gostam de tentar achar o máximo possível dos itens, terá um bom desafio.

Os chefes até que foram mais tranquilos se comparados com outros da franquia, mas teve alguns que me desafiaram como esse da imagem abaixo.


Com esse eu termino de jogar todos os jogos no estilo 2D, considerando que os jogos lançados originalmente para o NES e para o Game Boy eu terminei suas versões remasterizadas.

O desafio agora é voltar para a série Prime que é maravilhosa, mas até hoje não consegui terminar nem o 1º e também empaquei num chefe do Prime Hunters do DS.

segunda-feira, abril 02, 2018

Metroid: Zero Mission



Em fevereiro quanto terminei o Metroid: Samus Returns escrevi que pretendia voltar ao Game Boy Advance e jogar os dois Metroisd lançado para ele.

Nesse feriado de Páscoa, decidi iniciar o remake do 1º Metroid e hoje de manhã antes de ir para o trabalho derrotei o último chefe e finalizei esse excelente jogo com 5 horas de gameplay e 55% dos segredos descobertos.

Originalmente o 1º Metroid foi lançado em agosto/1986 para o Famicon Disk System no Japão e em cartucho nos EUA em agosto/1987. Cheguei a jogar o original no meu 3DS, porém a falta do mapa me fez desistir logo. Mesmo sendo um dos meus gêneros favoritos, a falta do mapa demandaria um esforço muito grande em ter que decorar os caminhos ou ficar jogando com um mapa baixado da internet ao lado.

Só que em fevereiro/2004 a Nintendo lançou o remake do jogo para o GBA que, além de trazer os gráficos atualizados e cutscenes para ampliar a história da personagem, trouxe também melhorias essenciais para o gameplay, como salas de save, mais armas, alguns movimentos adicionais e de quebra ainda esticou um pouco o final do jogo visando explorar mais o passado da Samus


O jogo é muito bom e mesmo sendo o mais curto que joguei até hoje, me diverti muito e poucas vezes me senti perdido, logicamente que o mapa ajudou bastante.

Para quem quiser um desafio adicional, basta jogar o original, pois esse sim não tem mapa nenhum para guiar, além de menos armamento e poucos lugares para salvar!